The Mistress


Enquanto a maresia refresca a pele já marcada pelo sol, me delicio das lembranças, aquelas que nos amávamos noites inteiras. Ele era o tipo de homem sério, respeitado, corpo robusto e sorriso de fechar qualquer negócio. Era dezesseis anos mais velho enquanto eu, cabelos negros e corpo escultural, cobiçada pelos jovens universitários. Quando o conheci, não passava dos vinte anos. Avistei-o pela primeira vez nos corredores da faculdade, onde iria palestrar sobre o mundo dos negócios. Teus olhos se fixaram nos meus até eu entrar no auditório. Após a palestra pediu meu telefone e na mesma noite nos encontramos. Foi uma noite da qual não mais me esqueceria. Vemos-nos mais algumas vezes na semana e desde aí, virou rotina nos encontrarmos em pousadas e motéis distantes da cidade. Eras tardes, noites e viagens a negócios. Levava-me sem que ninguém soubesse, fingia não me conhecer e nos esbarrávamos propositalmente nos aeroportos. Pagava-me quartos de hotéis luxuosos próximo ao teu para que no meio da noite nos encontrássemos. A rigidez de teu corpo nu me excitava de tal forma que eu me entregava inteiramente a aquela paixão. Teu lábios a percorrerem meu corpo me extasiava. Me encontrava cada vez mais dependente do teu sexo, não precisava mais de ninguém, só dele. Até que em uma de nossas noites quentes, entre uma carícia e outra deixei escapar um “eu te amo”. Talvez não fosse a definição correta para o que eu sentia, já que não era um romance, desses que se apaixona e se respeita, ele era casado e eu, a amante que satisfazia o que a esposa não era capaz. Ele me olhou bem nos olhos e depois de alguns instantes me amou como nunca antes. Fora intenso, nossos corpos suavam e ele nem se quer parava. Sexo silencioso do qual apenas se ouvia os gemidos. Ao enfim terminarmos em meio a madrugada, veste-se rapidamente e me beija. Pela última vez. Não mais me procurou e eu não podia também ligar nem procurar já que o que tínhamos ninguém além de nós sabia. Tentei retornar a minha vida incolor, sem noites intensas de renovar as energias, mas não durei muito tempo. Aquele homem havia transformado completamente minha feminilidade. Compreendi que nada mais importava, aquela era minha sina, viver de paixões ardentes e bebidas caras. E então, estava eu ali, ao exibir minhas curvas na praia da frente de um hotel, cujo hospeda muitos conferencistas importantes e cheios de fantasias com amantes quentes, como a que eu havia me tornado. Sim, muitos já haviam pedido meu número e eu mal esperava para encontrar em outros homens aquele que eu amara, em outras camas, com bebidas caras que me deixam completamente vulnerável, assim como você gostava de ter-me em teus braços, mas agora, preparada para as despedidas.



- Uma dose de erotismo pra fugir do clichê. -

11 comentários:

  1. Gosto muito dos seus textos, você escreve super bem. Adorei a história do post, muito diferente dos que eu tenho lido e escrito por aí.. Além de ter gostado do seu post eu tambeém gosto muito do seu blog, beijos;
    http://primeirapessoa-dosingular.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente incrível. O texto não está dentro do seu estilo padrão, mas ficou ótimo. Isso só prova que aquela velha história é verdadeira: Quem tem talento, escreve o que quer, da forma que quer.

    Cada dia que passa, sou mais fã seu.

    ResponderExcluir
  3. Uma história para fugir completamente do comum e arrancar suspiros por ser tão bem escrita. Tenho visto seus textos melhorarem cada vez mais, ana! Muito bom! Beijo grande, Bia.

    ResponderExcluir
  4. Ana, nunca imaginei lendo tais palavras de sua autoria desta forma. Eu adorei, me fez imaginar que muitas de nós sonhamos com uma história assim. Nossa, gostei mesmo. Continue nos surpreendendo assim. =D

    Fico tão feliz em ver tuas palavras por aqui novamente. *-*

    ResponderExcluir
  5. Muito bom Ana! Bem escrito e estruturado, e triste! Quase não se lê textos desse tipo.
    Kiss, Cat.
    http://alocat.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Adorei o texto, bem diferente do que ultimamente lei-o por aí, mostra uma realidade !

    Bjin*

    http://deardiary-sucker.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Muito bom, amei .

    http://blog-sundaedecereja.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Andando por ai, descobri esse seu blog tão tudo...com layout perfeito e tudo o que se pode ser definido como interessante..

    http://embalaco.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Um ótimo texto novo, inovou e acertou!
    Te indiquei pro meme das 11 coisas, corre lá no blog pra saber mais:)
    Beiijos*-*
    http://cartasp-voce.blogspot.com/2012/02/sobre-nos.html

    ResponderExcluir

Não comente apenas esperando retribuição. Exponha-se, interrogue, critique, elogie, defenda o que te resta de mais valioso: a opinião. (Ana Paula Ribeiro)